Museu Calmon Barreto

Após o falecimento do artista Calmon Barreto, em junho de 1994, a Fundação Cultural Calmon Barreto idealizou e fez acontecer, em outubro de 1995, uma retrospectiva póstuma em homenagem ao patrono, expondo algumas de suas obras, provisoriamente. A própria comunidade, durante os mais de dois meses da mostra, reivindicou para que a ação provisória fosse uma concretização: criar um Museu para abrigar as obras do artista maior desta terra.

Através da Lei Municipal Nº 3.129, de 17 de junho de 1996, foi criado o Museu Calmon Barreto subordinado administrativamente à FCCB. A inauguração oficial se deu em 19 de dezembro do mesmo ano. O museu expõe as mais variadas obras do autor: óleo sobre tela, escultura, baixo relevo, desenho, gravura e moeda, com os objetivos de preservar, divulgar e valorizar o seu rico legado artístico.

Inicialmente, as 180 obras do acervo museológico foram cedidas em regime de comodato à FCCB por sua herdeira, Cordélia Barreto. Até que, em junho de 2010, após projeto aprovado junto ao MinC, a FCCB adquiriu parte do acervo exposto no Museu.

No dia 20 de novembro de 1997, quando Calmon completaria 88 anos, é disponibilizada ao público a mostra específica e temática, extraída da produção do artista: “Calendário Vargas”, composto por 52 desenhos produzidos para um calendário do ano de 1940. A lembrança da data natalícia do artista novamente é comemorada em novembro de 1999 com a exposição “Aquarelas”.

Desde a sua inauguração, muitas ações têm-lhe dado dinamicidade: incontáveis lançamentos de livros, revistas e folders, palestras, cursos, oficinas, treinamentos, exposição de paramentos religiosos e arte sacra, exposição de trabalhos pedagógicos inspirados nas obras do artista, recitais, musicais, máster class, Tocata, projeto “Férias nos Museus”, projeto “Museu com Crianças”, projeto “Uma noite no Museu”, projeto “Carnacultura”, projeto “Semana Internacional dos Museus”, “Semana da Música”, comemoração de formatura do Curso Técnico da Escola Municipal de Música e outros.

O Museu recebeu, durante as comemorações do centenário de nascimento de Calmon, em novembro de 2009, exposição de desenhos e lançamento do livro “Banco de Ripas”, com contos inéditos do artista-escritor.

Em 2012 a cidade passou por um processo de remodelação urbana na área central. Algumas esculturas de Calmon, que estavam distribuídas na avenida Antônio Carlos, foram transferidas para a porta do Museu Calmon Barreto, oportunizando ao visitante conhecer suas mais variadas produções artísticas.

O Museu Calmon Barreto cumpre sua função social de disponibilizar a visitação e a prática de ações que pretendam torná-lo dinâmico, moderno, interativo, pedagógico, cumprindo papéis de interação cultural, de conscientização, de promoção e de transformação social.

 

Rua Dr. Franklin de Castro, 160

Centro – CEP: 38.183-120

Telefone: (34) 3612-1584

 

Horário de Funcionamento:

De terça a sexta-feira, das 8h às 18h

Sábados e feriados, das 10h às 16h

Domingo, das 8h às 13h

Responsável pelo Museu

Maria Angélica Torres Gotelip Barbosa (Tatá)

museus.tata@fundacaocalmonbarreto.mg.gov.br

tatagotelip@gmail.com