Museu Calmon Barreto

Numa parceria entre os irmãos Barreto, o poder público e a iniciativa privada (CBMM, Arafértil e Rio Sul Serviços Aéreos Regionais S.A) foi aberta no dia 17 de outubro de 1995, a “Exposição Retrospectiva Póstuma de Calmon Barreto, em um espaço físico alocado especialmente para esse fim, cujas características de centralidade e de acessibilidade visavam a aproximar Calmon dos seus conterrâneos. As obras do renomado artista ficaram expostas durante mais ou menos dois meses. Os visitantes e a comunidade local que por ali passaram, sugeriram que fosse criado um museu que pudesse abrigar, preservar, divulgar e valorizar o seu rico legado.

Então, foi criado o Museu Calmon Barreto em 17 de junho de 1996, através da lei municipal nº 3.129, subordinado administrativamente à Fundação Cultural Calmon Barreto. A inauguração oficial do museu, localizado na rua Dr. Franklin de Castro, 160, aconteceu no dia 19 de dezembro deste mesmo ano.

As 180 obras do acervo museológico (óleo sobre telas, esculturas, baixos-relevos, desenhos, gravuras e moedas) foram cedidas em regime de comodato à FCCB por sua herdeira e irmã, Cordélia Barreto. Em junho de 2010, a FCCB adquiriu via MinC/Mecenato parte deste acervo.

Comemorar o dia 20 de novembro data de seu aniversário, promovendo eventos culturais, tornou-se uma tradição.

Em 1997, foi inaugurada a exposição de 52 desenhos que ilustraram o “Calendário Vargas 1940” e em 1999, a mostra “Aquarelas” pintadas nos anos 40 – 50.

Em 2009, ano do centenário de seu nascimento, aconteceu o lançamento do segundo livro de contos de sua autoria – “Banco de Ripas” – e a mostra de desenhos inéditos.

Desde a sua inauguração, foram realizadas várias ações que lhe deram dinamicidade: lançamentos de livros, revistas e folders, palestras, cursos, oficinas, treinamentos, exposições de paramentos religiosos e de arte sacra e de trabalhos pedagógicos inspirados nas obras do artista, recitais, musicais, master class, Tocata, projetos:“Férias nos Museus”, “Museu com Crianças”, “Uma noite no Museu”, “Carnacultura”, “Semana Internacional dos Museus”, “Semana da Música” e outros.

Em 2012 a cidade passou por um processo de remodelação urbana na área central. Algumas esculturas de Calmon que estavam expostas ao longo da Avenida Antônio Carlos foram transferidas para a porta do Museu Calmon Barreto, oportunizando ao visitante conhecer suas mais variadas produções artísticas.

Em 2021, a nova administração municipal e a Fundação Cultural Calmon Barreto visando a oferecer maior conforto aos visitantes idealizaram um projeto que unificaria o Museu Calmon Barreto e o Memorial de Araxá em um só espaço. Em 19 de dezembro do mesmo ano, o referido projeto foi concretizado com a inauguração do Museu Calmon Barreto e do Memorial na antiga residência do casal Plínio de Paiva Abreu e Olegária de Aguiar Ribeiro de Abreu, situada na Avenida Vereador João Senna, 98.

O Museu Calmon Barreto cumpre sua função social de disponibilizar a visitação e a prática de ações que pretendam torná-lo dinâmico, moderno, interativo, pedagógico, cumprindo papéis de interação cultural, de conscientização, de promoção e de transformação social.

 

Responsável:Tatiana Silva Bruno de Avila

Endereço: Av. Vereador João Sena,98/Centro

Telefone: (34) 99257-0982

E-mail: museus@fundacaocalmonbarreto.mg.gov.br

Horário de funcionamento:

De terça a sexta-feira, das 08h às 18h.

Sábados das 09h às 15h.

Domingos e Feriados das 08h às 12h. 

Atendendo ao Plano de Contingência aprovado pelo

Comitê de Enfrentamento da Pandemia COVID 19:

Lotação máxima de 05 pessoas e distancia mínima de 2 metros.

Plano de Contingência